MEB CUP

MARIA ESTHER BUENO CUP

Em 2018, o Rio Open realizou pela primeira vez a Maria Esther Bueno Cup, o primeiro torneio NextGen do Brasil. Reunimos os oito melhores jogadores brasileiros até 23 anos, e eles disputaram em quadra um convite para a chave principal do Rio Open 2019. As partidas foram realizadas na Sociedade Harmonia de Tênis, a segunda casa de Maria Esther, em São Paulo.

O atual campeão juvenil do US Open, Thiago Wild, conquistou a vaga na chave principal do Rio Open ao derrotar Rafael Matos na final por 6/3 e 6/4.

Os dois jogadores terminaram na liderança de seus grupos invictos, com três vitórias cada. Matos saiu na frente nos dois sets, mas Wild conseguiu aproveitar as oportunidades para virar e fechar em 6/3 6/4 e garantir a vaga.

“Quero agradecer a todos que estiveram aqui nesses dias, que me apoiaram nos jogos da fase de grupos, quando estava perdendo, e sempre consegui virar. As condições aqui me favoreceram, é bem rápido, e agora é treinar muito para chegar no Rio Open em condições de fazer uma boa semana”, disse Wild após a cerimônia de premiação.

“Agradeço ao Rio Open por esta oportunidade de disputar essa vaga, e parabéns ao Thiago também pela conquista”, falou Matos.

A Maria Esther Bueno Cup já está garantida para o próximo ano, com o mesmo objetivo, reunir os melhores jogadores da nova geração e premiar o campeão com uma vaga na chave principal do Rio Open. Uma chance única para os tenistas que estão dando os primeiros passos no profissionalismo.

“Tivemos durante quatro dias, os melhores Next Gen brasileiros em quadra, com jogos de alto nível. A Maria Esther Bueno Cup cumpriu seu objetivo de promover, apoiar e dar oportunidade à jovens jogadores, em prol do desenvolvimento do tênis brasileiro. O evento também ajudou a manter viva a memória de nossa maior tenista”, comentou Luiz Carvalho, Diretor do Rio Open.

“Plantou-se uma semente para se criar um canal de desenvolvimento do tênis para os mais jovens. Os meninos vieram em peso e o Thiago venceu com mérito, depois de quase perder os jogos na fase de grupos e tem um grande potencial como jogador”, encerrou Ricardo Acioly, Diretor de Relações do Rio Open e do Instituto RJ de Tênis.